Como escolher corretamente lâmpadas LED

As contas de luz vão ficar mais caras em todo o Brasil. Todo mundo vai ser obrigado a pagar uma indenização bilionária que o governo deve às transmissoras de energia. Para não levar sustos no fim do mês o consumidor terá que poupar, uma boa opção é começar a trocar as lâmpadas incandescentes.

A busca por novas alternativas se tornou essencial, mas também trouxe uma preocupação ao consumidor: como substituir a iluminação antiga corretamente? As especificações técnicas podem assustar, mas são bastante simples.

O primeiro passo da troca é definir qual lâmpada será utilizada. Os tipos de lâmpadas mais comuns atualmente são a fluorescente e a LED, cada uma com características diferentes.

Juntamente com suas particularidades, elas carregam uma informação bastante importante que deve ser observada na hora da compra: a sua potência.

Lúmens e Watts

O Lúmen é a quantidade de luz emitida por uma lâmpada em todas as direções, também chamada de fluxo luminoso, ou seja, o quanto uma lâmpada ilumina um ambiente. Quanto maior esse número, mais luz a lâmpada emite.

Já o Watt, mais conhecido pelo público em geral e também chamado de potência, simplesmente diz respeito ao consumo de energia, mas não tem nada a ver com a emissão de luz, inclusive, é possível encontrar o consumo em watts de qualquer aparelho eletrônico, mesmo que ele não emita nenhuma luminosidade.

Apesar de serem características separadas, elas andam juntas quando o assunto é iluminação. Uma boa lâmpada irá iluminar bem consumindo pouca energia, ou seja, terá uma alta taxa de lúmens e um baixo valor de watts.

Nesse caso, a unidade que mede sua eficiência luminosa, ou rendimento luminoso, é expresso em lm/w, ou seja, lúmens/watts. Esse valor indica quantos lúmens uma lâmpada produz a cada watt de energia que ela consome. O ideal é sempre identificar esse número e optar pela lâmpada que emitir maior quantidade de lúmens consumindo a menor quantidade de energia.

Se essa informação não estiver disponível no produto é fácil obtê-la dividindo o número de lúmens pelo número de watts. O resultado será o rendimento luminoso.

Escolhendo a lâmpada

As lâmpadas incandescentes consomem muito mais watts e emitem muito menos luz, justamente porque boa parte dessa energia que ela consome se torna calor e não iluminação.

Já as fluorescentes têm rendimento bem melhor, mas também gastam boa parte da energia que consomem gerando calor e alimentando o reator que as mantém acesas.

O LED, por sua vez, não possui reator e não gera calor, por isso seu consumo é mais baixo e toda a energia consumida é transformada em luz.

Equivalência da lâmpada LED

Para ter uma ideia exata de como substituir a lâmpada, observe tanto o valor de lúmens quanto o de watts e opte por aquela que consuma menos energia (menor valor de watts), mas que tenha uma quantidade de lúmens adequado ao que você precisa.

Naturalmente, lâmpadas que geram mais lúmens consumirão uma quantidade maior de energia, mas busque sempre se orientar pelo seu fluxo luminoso e não só pelo consumo que sempre será baixo nas lâmpadas LED.

Se você está habituado a comprar lâmpadas pela potência em watts, como no caso das lâmpadas incandescentes, verifique uma comparação de emissão de lúmens na tabela abaixo:

Imagem/Foto: Led Planet

Na hora de escolher lâmpadas econômicas LED, não esqueça de observar esses detalhes e a qualidade do produto que você está adquirindo.