Não se iluda com o Tsu, rede social que promete pagar os usuários

Este post foi escrito por Por para o site Manual do Usuário

Ahhh, as promessas de ficar rico sem fazer nada, sempre boas demais para serem verdades. A menos que você tenha muita grana e um tino raro para investimento, elas não são verdade mesmo. As “oportunidades imperdíveis” costumam mascarar algum esquema em que uma pessoa “X” (que não é você) sai ganhando às custas de outras pessoas (é aqui que você entra). O Tsu, uma rede social nos moldes do Facebook que promete dividir o faturamento com os usuários, é a última do tipo.

A proposta é a seguinte: em vez de publicar suas fotos, memes e textões no Facebook e deixar Mark Zuckerberg ainda mais rico, publique no Tsu, uma rede social acessível apenas mediante convite e que divide 90% do que fatura em anúncios com os usuários — os 10% retidos serve para custeá-lo.

O Tsu surgiu em outubro de 2014, teve alguma repercussão aqui no Brasil e, recentemente, voltou a aparecer com força nas redes sociais (veja no Twitter) na forma de links de indicação. Além de ganhar por conteúdo gerado e interações, tal qual um esquema de pirâmide, quem indica novos usuários também recebe uma fatia do faturamento. Isso vale até mesmo quando o valor é ganho por indicações de segundo, terceiro, quarto, infinitos níveis. É o que o Tsu chama de “regra dos terços infinitos”.

Tem até um infográfico que explica a pirâmide. Digo, o esquema. Não, droga! Um infográfico que explica o modelo:

infografico-modelo

Acho que isso já é um sinal de alerta forte sobre a seriedade do Tsu.

Por ser um serviço não tão novo, outros já esmiuçaram os muitos buracos do Tsu — isso me poupa de entrar em detalhes aqui. Recomendo este post da Amanda Blain, o mais completo que encontrei sobre o assunto, onde ela aponta uma série de incongruências. Uma em especial chamou a minha atenção:

Apenas para mostrar como isso é patético, baseada no primeiro link da notícia acima. Ela diz que o Tsu compartilha o faturamento total com anúncios do dia entre os usuários. Digamos que existam 100 membros e que eles dividam um faturamento diário total de US$ 100 — cada um recebe US$ 1. Quando houver 100 milhões de membros, é bem provável que não haverá USS$ 100 milhões em faturamento diário. (Nem mesmo o Facebook fatura US$ 100 milhões por dia.) Você receberá menos de US$ 1. Cada

“Mas um centavo é dinheiro!”, alguém pode gritar. Ok. Aí entra outro problema, que é o mínimo para receber. Segundo o FAQ do Tsu, o valor mínimo para receber é de US$ 100. Nada errado, (quase) todo sistema do tipo tem isso a fim de evitar transferências ridículas de quantias mais baixas que o custo da operação.

Mas, aqui, isso é sim um problema. Usando a boa e velha matemática, conclui-se que no ritmo de US$ 0,01/dia leva-se 10000 para atingir US$ 100. Convertendo dias para anos, isso dá quase 28 anos. E, se essa estimativa lhe parece irrisória, infelizmente não é. Segundo o último balanço fiscal do Facebook, cada usuário daquela rede rende US$ 2,76 no trimestre. Dividindo isso por 90 (dias), chega-se ao valor de US$ 0,03/dia.

E, não mais que de repente, o Tsu parece surreal, né?

As furadas em que a gente se mete. (Foto: Manual do Usuário)
As furadas em que a gente se mete. (Foto: Manual do Usuário)

Também posso falar da perspectiva do usuário. No começo do ano eu fiz um cadastro no Tsu — a curiosidade nos leva a lugares inesperados e, às vezes, a grandes canoas furadas.

Publiquei um link, um GIF animado, tive algumas curtidas e tal. Foi coisa de cinco minutos, mas não vejo como poderia ser melhor se tivesse me dedicado… sei lá, por cinco horas. Resultado? US$ 0,002.

Além de toda a desconfiança (mais do que justificada), da inviabilidade fiscal e dos problemas técnicos, existe ainda a questão do conteúdo. Alguém pode achar o visual verde/azul bonito e se engajar no Tsu, mas a tentação de fazer um “inception piramidal”, ou seja, um post-pirâmide dentro da rede-pirâmide, existe. “Curta e compartilhe este post, vamos ficar ricos juntos!” Imagine um LinkedIn formado apenas por convites para entrar no LinkedIn. É mais ou menos isso que o Tsu corre o risco de virar.

O Tsu levanta alguns questionamentos válidos como a propriedade do conteúdo gerado em redes sociais e como nós, usuários, sustentamos a saúde financeira delas com a nossa atenção, “vendida” para anunciantes. Mas a solução desse impasse apresentada pelo Tsu é, no mínimo, errada. Talvez má intencionada.

De certo, mesmo, só o fato de que ninguém ficará rico por ali, quiçá receberá um centavo que seja. Quer ganhar dinheiro na Internet? É difícil, mas possível. Dinheiro fácil? Deve ter como, mas o Tsu não é uma opção.